Comentários do Fórum

Amplificação
In Discussões Gerais
Aula 3 - O mercado
In Discussões Gerais
Ulisses Rocha
19 de jan. de 2019
Valeu, Aroaldo. Precisando estou por aqui!
0
0
Carreira como músico acompanhante
In Discussões Gerais
Ulisses Rocha
13 de jan. de 2019
Oi João Lucas. Vou responder primeiro a pergunta feita diretamente a mim. O trabalho com a Gal Costa foi decorrente de uma indicação do Marco Pereira que tinha sido o diretor musical dela durante anos e estava passando o bastão. E já tinha acompanhado muita gente, cantores e músicos, alguns famosos outros não, portanto tinha bastante experiência no ramo. Tocar com a Gal foi muito bom por vários motivos: 1) Sempre fui fã dela e participar da banda foi uma honra. 2) Toquei ao lado de músicos incríveis como Luizão Maia (o lendário baixista), Paulinho Calazans (teclados), Armando Marçal (percussão - lenda também), Jurim Moreira (bateria), Cidinho Moreira (percussão) e Paulo Bellinati (o diretor artístico e parceiro violonista). 3)Minha permanência na banda foi curta mas tive a oportunidade de ir com ela e o Olodum para alguns shows em Tóquio, onde até fizemos um programa de televisão com o Sadao Watanabe, Além de participar da reinauguração do Teatro Castro Alves em Salvador, onde tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o João Gilberto. Resumo: foi uma experiência incrível onde aprendi muito e vivi muita música, além de conhecer o Japão. Fiquei pouco na banda pois logo depois da viagem ao Japão, minha agenda pessoal colidiu com a dela e tive que optar. Optei pela minha agenda, não por orgulho mas porque eu já tinha uma carreira desenvolvida e não fazia sentido eu interromper meu movimento que vinha muito bem na época. Em relação à pergunta feita aos músicos acompanhantes, como também já fiz parte desse time, posso dar meu relato. Acompanhar ao violão é uma das atividades mais comuns e naturais na vida de um violonista. Se vc é competente e convive com outros músicos de sua geração, os convites surgem naturalmente. Quanto mais vc se apresenta mais é notado e seu profissionalismo ( tocar bem, ter bons instrumentos, ter uma atitude educada, positiva e agregadora, participar com entusiasmo das apresentações e gravações, etc.) começa a chamar a atenção. O nível dos artistas a te fazerem o convite tende a subir e em pouco tempo vc estrá acompanhando pessoas de primeiro time. Para não fechar portas basta vc não causar problemas e trazer soluções. Seja um ponto de tranquilidade no grupo, apoie o artista principal, seja seu braço direito. Seja pontual nos ensaios e passagens de som, cuide do vestuário, seja independente. Vi muitas vezes músicos acompanhantes pedirem para que o artista passasse em sua casa para ajuda-lo a pegar seus instrumentos, ou exigirem o lanche durante uma passagem de som problemática, etc. Esses atitudes são um problema a mais no cotidiano do artista, portanto indesejáveis. Em meu trabalho solo já tive muitos músicos me acompanhando e sei bem o que é uma atitude negativa. Nunca chamei pela segunda vez alguém que me trouxesse um problema ao invés de uma solução.
5
0
Começando!
In Discussões Gerais
Ulisses Rocha
08 de jan. de 2019
Oi Mateus. Primeiramente vamos pensar no termo "músico ruim". Para mim, músico ruim é aquele que não tem ritmo, canta mal, toca mal, ou seja, não é capaz de se utilizar da linguagem musical para se expressar com clareza. É muito importante que vc conheça a matéria que será a base de sua vida profissional. Isso não significa que vc deva ser um virtuose em seu instrumento, mas vc deveria sim, ter um domínio da linguagem musical mesmo que intuitivamente. Um músico deve se sentir à vontade com a linguagem musical, ou seja, tocar razoavelmente seu instrumento, ser afinado, ter um bom ouvido, ser criativo, etc. O tocar razoavelmente significa, atender às expectativas do estilo. Se vc for um cantor/ compositor, deve ser capaz de se acompanhar com competência suficiente para mostrar sua arte no campo escolhido. Se vc for da área instrumental, deve ter um respaldo técnico, teórico e harmônico muito maior. Seguindo esse raciocínio, um músico intuitivo e talentoso , mesmo sem saber teoria e harmonia, pode desenvolver uma carreira artística como compositor e/ou cantor popular, desde que tenha uma vivência musical consistente, Aliás é o que observamos em relação aos artistas famosos da música brasileira. Muitos cantam bem, compõem bem, se acompanham ao violão de forma bem adequada, sem serem virtuoses ou grandes conhecedores de teoria ou harmonia, nem terem técnica exuberante. No entanto esse pessoal tem muito talento e desenvolve um trabalho muito bom. Se vc não tiver uma formação consistente mas for um bom cantor/compositor, por exemplo, vc deve contratar músicos e arranjador/produtor para te ajudar a realizar o trabalho. É o que a maioria faz. Há no entanto os que fazem tudo, mas aí tem que estudar bem mais. É uma questão de escolha.
1
0

Ulisses Rocha

Administrador
Mais ações